Porque, em algum lugar, deve haver uma explicação

por anapaulaponce

 

Eu sou curiosa. Sério. Mesmo. De verdade.

Sofro de curiosidade aguda e isso faz um mal danado para a minha saúde…

Não consigo ficar parada diante de uma caixa embrulhada para presente. Começo os livros pela última página.  Novelas com o mote “quem matou fulano de tal” são uma tortura para mim. Sofro em jogos do tipo “detetive”. Enigmas me são quase uma afronta.

Mas, honestamente, nada na vida me deixa mais curiosa do que os sentimentos e a forma como as pessoas os encaram.

Como, de repente, passamos a gostar de alguém? O que separa simples conhecidos de grandes amigos?

Onde começam as grandes histórias de amor? De que elas são feitas?

E o ciúme? Tem algo mais sem sentido?

Medo? Alguém pode explicar o que nos deixa paralisado?

Sorrisos, onde eles são produzidos: nos lábios ou no coração?

E a coragem, de onde ela vem? E por que ela se esconde quando você mais precisa dela?

Como aquela primeira troca de olhares conseguiu mudar sua vida? E lhe levar ao altar? O que faz você crer que a sua história pode durar para sempre? E transforma o amor de duas pessoas em um filho?

Como você conseguiu crer no milagre da vida, mesmo tendo tudo para perder a fé? E  cumprir as suas promessas, mesmo que elas resultassem em sacrifícios?

O que faz você ter esperanças de que vale a pena lutar e acreditar que, no fim, tudo dá certo? E lhe dá forças para seguir, ainda que distante da família e dos amigos da infância?

Sabe de uma coisa? Dessa vez, eu não vou sofrer com a curiosidade (nem farei isso com meus leitores).  Ana e Juliano, para vocês, a resposta para todas as indagações acima.

Porque, no fim de tudo, por mais que eu pense, chego sempre à mesma conclusão óbvia que toda charada possui: para os sentimentos, assim como para as imagens, são desnecessárias as explicações.

Com vocês, diretamente da Terra Encantada dos Cup Cakes: Davi!

Meu coração agradece tanta luz em uma tarde de sábado!

Anúncios